Finais e Recomeços - O processo de aprendizagem do amor

Por Maria Lúcia Pinheiro
Publicado na Revista Vitrine - Natal-RN

O final de um relacionamento amoroso provoca um sentimento arrasador de perda. A impressão é de que a vida perdeu o sentido, que sonhos e planos foram destruídos, que o tempo e os nossos investimentos foram em vão. O outro se torna uma ausência, uma falta dolorosamente sentida. Em períodos como esse, algumas pessoas se desesperam, outras ficam deprimidas e existe ainda as que demonstram alegria e entusiasmo. Neste momento, é importante investir em si mesmo, avaliar os acontecimentos e sentimentos transformando este momento de dor em oportunidade de crescimento.

O fim de uma história de amor traz consigo um drama. Como cada relação é única e tem um fim diferente, a duração e a intensidade do sofrimento serão diversificados. Embora apareçam sentimentos diferentes e confusos, geralmente, quando uma relação amorosa termina, existe uma carga de sofrimento muito intensa. Existe uma sensação de fracasso, de derrota, que podem estar misturados com sentimentos de culpa, decepção, mágoa, raiva ou desilusão.

Mas vale a pena investir numa relação amorosa, não apenas pelo prazer que proporciona, mas porque através dos relacionamentos aprendemos muito. É um momento em que podemos amadurecer bastante e nos conhecermos melhor. Este aprendizado vai ser necessário no futuro, numa nova relação. Em cada relacionamento teremos experiências importantes através das quais iremos nos preparar para desenvolver um relacionamento mais maduro e mais feliz e, então, estaremos prontos para reconhecer a importância destas pessoas que participaram da nossa vida e da nossa aprendizagem.

E a dor cessa aos poucos, embora muitas vezes seu fim seja percebido subitamente. A vida é surpreendente, ressurge. Sempre. A tristeza pode ensinar a ser feliz. A alegria pode renascer mais forte do que a tristeza. É justamente o sofrimento que nos impulsiona, que nos ensina. A vida não pára e retoma seu curso, mesmo quando parece não haver mais nada. Pode demorar. Quem já passou por isso sabe que um dia todo o sofrimento passa. A tempestade se desfaz, o bom tempo volta e o sol torna a brilhar.

Muitas pessoas tentam superar essas situações penosas encontrando um novo amor para substituir o antigo e, ao mesmo tempo, reforçar a auto-estima abalada pela separação dolorosa. Aconselho: Não se apresse em encontrar um novo amor! Precisamos de tempo para estar em condições de investir numa nova relação. A pressa de se livrar da solidão pode levar a uma má escolha. Além disso, a nova relação vai ficar vinculada à antiga e isso será negativo. É bom quando existe uma clara separação entre dois relacionamentos. Somente assim, libertado do passado, o novo amor terá possibilidade de crescer de forma sadia e satisfatória. Mas muitas vezes acontece o contrário – algumas pessoas ficam presas ao passado e não abrem espaço para um novo amor. Nestes casos, é preciso acreditar na vida, e em nós mesmos, nas infinitas possibilidades que existem.

Para se olhar o futuro é importante refletir sobre o passado. Entender a razão das derrotas e os motivos das vitórias. Por isso, este período sozinho pode ser apropriado para fazer uma avaliação do que se passou, dos seus sentimentos, seus pensamentos, sonhos e ideais, da forma como conduziu sua vida - ou se foi por ela levado. É uma oportunidade de fazer um levantamento sobre nós mesmos e nossos relacionamentos, e isto possibilitará uma aprendizagem enriquecedora. E um melhor planejamento para os próximos relacionamentos.

Comentários

  1. Pode deixar que ajudo sim. Este blog tb está ótimo! Aos poucos a gente vai achando o jeito que mais parece conosco...
    Parabéns!
    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário! Contamos com suas críticas e sugestões para tornar nosso blog cada vez melhor e atender as suas necessidades. Obrigada pela visita.

Postagens mais visitadas deste blog

Terapia Sexual - como é?